Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Fale conosco via Whatsapp: +55 11 948610050
No comando: OVERDOSE – 120 MINUTOS DE MUSICA

Das 00:00 às 08:59

No comando: SHOW DA MANHÃ com Nando Pires

Das 09:00 às 10:59

No comando: PAGODE DO BOM com Agnaldo Pereira

Das 11:00 às 12:59

No comando: PAGODE DO BOM com Gula Batera

Das 11:00 às 12:59

No comando: BATIDÃO SERTANEJO com Nando Pires

Das 13:00 às 13:59

No comando: ADRENALINA com Agnaldo Pereira

Das 14:00 às 15:59

No comando: AGITA COMUNIDADE com Cayo Renan

Das 16:00 às 17:59

No comando: PAGODE DO BOM ESPECIAL c/ Agnaldo Godzilla

Das 17:00 às 18:59

No comando: RESENHA SHOW – A equipe nota 10 do esporte

Das 18:00 às 19:00

No comando: MUNDO JOVEM

Das 19:00 às 20:00

No comando: QUESTÃO DE FÉ com Alessandro Oliveira

Das 21:00 às 21:59

No comando: US CRENTS com Diego Dias

Das 22:00 às 23:59

No comando: MACHÉ COM VIDA com Ricardo Maché e Cacau

Das 22:00 às 23:59

No comando: RESGATANDO VALORES com Pastor Marcelo Vieira

Das 22:00 às 23:59

No comando: US CRENTS com Fabinho Oliveira

Das 22:00 às 23:59

No comando: SÓ ELAS com Renata, Alessandra e Rute

Das 22:00 às 23:59

Menu

MAIS POLÊMICA SOBRE A COPA AMÉRICA NO BRASIL

Dono das aspas mais comentadas ao longo desta semana, Luís Roberto comentou sobre a repercussão de sua fala. Na última segunda-feira, o narrador disse que a realização da Copa América no Brasil era um “tapa na cara dos brasileiros“. Nesta sexta-feira, no podcast “Vocês da Imprensa”, do portal “ge.globo”, o jornalista negou motivos políticos para a afirmação e condenou a “milícia digital” da internet.
-Por que repercutiu tanto? Quando voltou o futebol, eu era contra qualquer tipo de evento. Refleti muito desta vez. Por que levaram tanto para o lado político? Não somos milícia digital, não fazemos patrulha ou campanha para alguém. Noticiamos baseados em dados científicos. Estão achando que vou ficar brigando com essa história, mas não é meu papel. Bola para frente – começou Luís Roberto.
-Embora eu tenha dito que demoramos meses para resolvermos as questões da vacinação e minutos para liberar a Copa América no Brasil, isso não passa por um posicionamento político, passa por um embasamento científico. Pelo amor de Deus, não passa pelos direitos do evento. Isso é uma grande bobagem. É falta de argumento. A milícia digital está me perseguindo achando que é por conta da Globo não transmitir a Copa América. Não fecha a conta, não faz sentido. Esse é o jogo de você adquirir ou não os direitos – disse.
Luís Roberto disse também como foi a reação após grande repercussão.

– Está todo mundo achando que vou perseguir a Copa América. Se vai ter, vai ter. Se acham que deve ter, tudo bem, sou apenas um jornalista. Mas rezo de coração para que tudo ocorra bem, para que ninguém perca suas vidas ou se contamine. Não sou milícia digital, não irei perseguir a competição ao longo do mês – afirmou o narrador.

– Não sou lacrador, não tenho vocação para isso. Pelo contrário, eu não gosto de usar redes sociais para fazer posições para lacrar. Não tenho esse perfil. Mas eu sempre fui digital, assim que terminou o programa, eu percebi que havia extrapolado a esfera do “viralizou”. Ganhou uma proporção muito grande. Fiquei assustado e tentei entender o motivo para que ganhasse esse contorno. Soltei algumas frases fortes como questionar o tempo de respostas às vacinas, além da frase “tapa na cara dos brasileiros”, mas em nenhum momento usei termos pejorativos, há ali somente uma opinião. Por isso tudo gerou uma repercussão muito grande – completou.

Por fim, ele pondera que sofreu ataques nas redes, essencialmente por suposta “inveja” do SBT.

– A base das críticas que recebi foram por conta do SBT e os direitos dos jogos. Gente dizendo que tenho inveja, mas não vejo sentido nisso. Continuo convicto que, principalmente por sinalização para o mundo, não é uma bora hora para realizar a Copa América. O problema não era nosso, era da Argentina, Colômbia e Conmebol. Deveríamos focar em salvar vidas e empregos – concluiu Luís Roberto.

Recentemente, o companheiro do narrador nas bancadas do SporTV, Carlos Cereto questionou os posicionamentos dos colegas de imprensa esportiva. Para Cereto, o movimento não passava de uma “lacração política”. 

Para Rose Maria, gestora da Rádio Comunidade, a Globo está muito mal acostumada com o monopólio de todos eventos esportivos no Brasil e no mundo. “Estamos vivendo um novo momento, de abertura de mentes, de igualdade social e jornalística independentemente do tamanho da sua emissora”.

Deixe seu comentário: